Vivendo no Chile

Faz dois meses e meio que nossa companheira Karina, uma jovem brasileira integrante da equipe GoChile, está morando em Santiago. Nesta reportagem ela nos relata sua experiência no país e o porque decidiu se aventurar por aqui.

Por Karina Pires

Sempre quando vamos viajar, perguntamos a nós mesmos o que precisamos levar; como é o clima fora do nosso país de origem; como são as pessoas; a cultura e a pergunta principal… Será que não vou me arrepender?

Bem, comigo foi tudo o oposto. Não me perguntei nada. Decidi procurar uma agência de empregos no Chile diretamente conectada do Brasil, dois dias depois recebi a noticia de que uma agência de turismo tinha adorado meu currículo.

Marcamos uma entrevista pelo SKYPE, e ali estava eu, contratada para minha experiência profissional pela agência GoChile. Pena não poder descrever o tamanho da minha alegria, mas se eu tivesse que transformá-la em um animal, poderia descrever como um elefante (grande e gordo).

Mesmo não tendo caído minha ficha no momento, procurei a passagem aérea correspondente ao início da minha prática (16 de Outubro de 2010) e apertei o botão comprar da companhia aérea LanChile. Informei meus pais sobre essa oportunidade (para mim a parte mais difícil). Fiz as malas e decidi viver no Chile com meu namorado.

Hoje faz exatamente dois meses e meio que estou vivendo aqui em Santiago. Uma cidade tranquila, se comparada a São Paulo, e maravilhosa.

Quando cheguei, tenho que confessar que foi um pouco estranho. Na empresa ninguém falava minha língua e eu não entendia nada o que diziam ao redor. Era como se eu estivesse na Arábia ou no Japão.

Por sorte, cai em um país onde há pessoas maravilhosas que me ajudaram a entender um pouco mais da língua por se dizer “Chilena”.

As pessoas aqui são companheiras, humildes, verdadeiras e muito amáveis principalmente com os estrangeiros. Eles tentam de tudo para entender nosso “portunhol” e se doam para nos ensinar e mostrar o que há de melhor no Chile. Além de se preocuparem com a nossa segurança, sempre nos dizendo a famosa palavra: CUIDADO.

A verdade, é que eles estão certos. Mesmo que Santiago seja uma cidade bem desenvolvida e com uma população menor que São Paulo ainda há muitos assaltantes soltos pelas ruas, principalmente no centro de Santiago. Graças a Deus, eu nunca vi em desses por aqui, mas dizem que há, e muitos.

Deixando um pouco de lado a parte perigosa, posso dizer que Santiago é um lugar ótimo para quem está de mudança ou até mesmo para o Turismo.

Há muitas coisas para se conhecer em Chile que eu mesma não sabia. Nós estamos tão acostumados a viajar para famosos pontos turísticos que aparecem na televisão e nos esquecemos de pesquisar os outros pontos que também podem ser uma viajem fabulosa.

Nestes dois meses tenho conhecido muita coisa por aqui. A primeira coisa que queria ver era a neve já que nunca havia visto antes. Fui a Farellones, a primeira pista de esqui da imensa Cordilheira dos Andes. Apesar das curvas radicais, quando cheguei ao Centro de Esquí eu parecia uma criança ao ver a neve . Brinquei de jogar neve no meu namorado e na minha cunhada e as descidas no Tubing foram espetaculares.

Além disso, me diverti muito em Carrón Del Maipo, onde pude fazer rafting, arvorismo e tirolesa, além de comer um pasta de choclo muito bom. Para quem não sabe o que é isso, Pasta Choclo é uma comida típica chilena feita de milho. Uma delicia.

Encantou-me também Viña del Mar, uma Praia que fica a 90 minutos de Santiago, bem parecida com Santos. Infelizmente quando fui estava chovendo, mas ainda tive chance de almoçar em um restaurante chamado La Gatita, onde oferece milhares de variedades de frutos do mar e é super barato, foi lá onde comi as melhores machas a parmesana que já provei na minha vida.

Por falar em comida, isso foi outra coisa bem difícil de me adaptar, Pão com abacate, hambúrguer com abacate, hot dog com abacate e Aji (Pimenta) são comidas típicas dos Chilenos e claro sempre acompanhados de um pisco sour, bebida também típica.

Há também comidas bem parecidas com as comidas Brasileiras, como arroz, carne, salsicha, batata e etc. Mas se eu pudesse te dar um conselho provaria as Chilenas, há pratos maravilhosos para degustar.

Outra coisa que me chamou muita atenção é que aqui os metrôs são pagos por horas de pico. Por exemplo, as 9h00 da manhã, horário que as pessoas começam a entrar no trabalho é mais caro que as 11h00 da manhã. Não é estranho?

Apesar disso, posso te dizer de boca cheia que não há comparação entre os metrôs daqui e os de São Paulo. Quando as pessoas te disserem que o metrô está cheio, pense como seria o metrô de São Paulo vazio.

Com todos esses prós e contras vocês devem estar se perguntando se eu me arrependi. Minha resposta é Não. Por quê? Porque não vejo algo mais maravilhoso do que conhecer novas culturas e poder aceitar outra forma de viver a vida sem ser a minha.

Além de tudo que me é difícil adaptar, considero Chile um país maravilhoso para se conhecer, viver e amar.